Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Cornos - Breves notas sobre uma protuberância.

por Volátil, em 21.12.14

Segundo o Dicionário on-line Priberam "corno" é um substantivo masculino que designa "cada um dos apêndices duros que certos ruminantes têm na cabeça". Mas simbolicamente é muito para além disso. Os cornos podem tanto significar o mal, o pecado e a traição como a força e o poder.

Historicamente talvez tenha sido esta última associação a primeira a surgir. Os primeiro elementos da espécie Homo devem ter olhado os grande e poderosos animais desse tempo que utilizavam as suas armações como armas dando-lhes o sentido de força e vitalidade. Parece-me que esta ideia perdura até ao aparecimento do cristianismo. Tanto no Antigo Egipto com Hathor, deusa do amor da beleza e da arte que é represetada com cornos e muitas vezes como uma vaca, como na mitologia celta o Cernunnos, deus das coisas selvagens e dos animais que aparece com a armação enorme de um veado. 

 

É com o aparecimento do cristianismo e com a necessidade de antropomorfização da ideias do mal e do pecado que aparecem os cornos com este significado na figura do Diabo. Mas não só!

moises_michelangelo.jpg

O profeta Moisés aparece muitas vezes em represetações biblicas com um par de corninhos, elaboradas por artistas como Michelangelo e a famosa escultura que ornamenta o túmulo de Júlio II na igreja de San Pietro in Vincoli em Roma.

Aparentemente este facto deve-se a um inocente lapso de tradução do Antigo Testamento. Entre os séculos IV e V o papa Dâmaso I incumbiu o escrivão São Jerónimo de levar a cabo a tradução da Bíblia do Hebraico antigo para latim, que ficou conhecida como Vulgata Latina.

A certa altura da tradução do livro Exodos, São Jerónimo baralha-se com a polissemia da palavra hebraica "keren" que tanto pode significar raio de sol como corno. Assim, em vez de escrever, no capitulo 34 e versículos 29 a 35, "Moisés não sabia que o seu rosto resplandecia..." escreveu "...Moisés não sabia que o seu rosto tinha cornos". Este inocente lapso de tradução custou um par de cornos a Moisés e a outros profetas. (Shit happens...)

 

 

Na perspectiva contemporânea os cornos são associados quase imediatamente à traição. Na época medieval era colocado um par de cornos à porta da casa onde teria ocorrido um traição. O homem traido (sempre o homem... que se há-de fazer...) deveria então limpar a sua hora com sangue, matando o amante e a mulher, caso contrário era obrigado a usar o par de cornos na cabeça pelas ruas. Evidentemente, não sei se isto é verdade, mas a pessoa que me cotou esta história terminou com um "hoje não se usam os cornos... sempre é melhor tê-los mas não vê-los!".

 

Os cornos aparecem também ligados à musicas. Tanto na língua portuguesa como inglesa a palavra corno ou horn, dá nome a um instrumento musical... a corneta! Mas a primeira associação que se faz é a do gesto em que se estende o mindinho e o indicado no ar, normalmente em concertos de metal. Que foi introduzida pelo vocalista de Black Babbath que se seguiu a Ozzy Osbourn, Ronnie James Dio. 

Dio fazia este símbolo com as mãos durante os concertos, e segundo o próprio tem origem na sua avó italiana que supersticiosamente o fazia como protecção contra o mau-olhado. No documentário "Metal: A headbanger's journey" as origens deste som e do símbolo de cornos que lhe é indissociável são brilhantemente explorados e explicados.

 

Até aqui tenho feito o que é comum fazer, considerar que chifres e cornos são sinónimos, ou que chifres é um palavra mais socialmente aceite para dizer cornos. Mas na verdade, e se quisermos ser piquinhas, isso é errado.

Os cornos são ocos e prolongamentos cranianos feitos de queratina, são permanentes e de tecido morto, normalmente apresentados em ruminantes como vacas, touros ou antílopes. 
Os chifres têm uma forma ramificada, são maciços e revestidos de uma camada de pele ou pêlos. Os animais como cervídeos, rinocerontes e girafas têm chifres e não cornos.

Tanto chifres como cornos só são encontrados nos mamíferos (tanto em animais como em homens desatentos).

 

\m/

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:16


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Sofia a 22.12.2014 às 23:05

Começo por dizer que fiquei a saber qual a diferença entre chifres e cornos, matéria sobre a qual nunca me tinha debruçado.
Depois, devo dizer que homens com "h" minúsculo, se refere exclusivamente a este genero; o que me leva a concluir que as mulheres não os têm. Fico muito mais tranquila.

Comentar post